Ruivas, Louras & Morenas

segunda-feira, 14 de maio de 2007

O livro lançado por FJV há uns tempos, foi de certa forma, um dos impulsionadores deste espaço. É conhecido, e o autor dá conta disso mesmo, que, havendo muita literatura nacional sobre vinhos, sobre cerveja nada se encontra. Foi pois com satisfação que li e reli o opúsculo, muito bem apresentado e escrito, e serviu-me ele de guia para procurar conhecer algumas cervejas das quais nunca tinha ouvido falar.
É óbvio que não coincidimos em algumas apreciações, mas nestas coisas em que o gosto individual prevalece, é o que é normal acontecer. Já no intróito que escreve, aflora pontos importantes na consideração a ter pelas cervejas, e aí estou em perfeita sintonia.
Como ele diz, não se deve beber uma cerveja com qualquer espécie de preconceito (máxima que, parece-me, se deverá aplicar a quase todas as decisões na vida). Contudo, manifesto desde já a minha pouca simpatia pela cerveja de lata - por muitos tratamentos que façam ao vasilhame, parece-me que alguma oxidação da bebida permanecerá sempre, adulterando-lhe o sabor - bem como beber cervejas da garrafa, atitude leviana que obsta a que a cerveja se solte completamente.
Este último aspecto, aliás, é muito interessante. Por cá bebe-se no copo que estiver mais à mão, embora em alguns estabelecimentos já se revelem alguns cuidados. Contudo, é tão aconselhável beber uma cerveja trapista belga num copo estreito e alto, como saborear um bom champagne numa caneca de esmalte. Mas este é assunto para um capítulo especial.

kwak

Etiquetas:

 
posted by Vic at 5/14/2007 10:00:00 da manhã |


4 Comments:


At 15 de maio de 2007 às 01:11, Blogger Ega

Foi também FJV com este seu (e de todos nós) livro que me abriu portas a este mundo maravilhoso da apreciação de uma boa cerveja.

E para além das cervejas e da escrita refinada, FJV, apresenta todo um modus vivendi de tolerância, descontracção, boa disposição e boa vida!

Um livro essencial com certeza!

Cumprimentos

 

At 15 de maio de 2007 às 18:04, Blogger VdeAlmeida

Bem, a mim não foi o livro. Esse foi sim o impulsionador para que me decidisse a partilhar esta vertente da munha vida.
E concordo contigo na análise sobre o FJV
Espero que voltes muitas vezes

 

At 23 de maio de 2007 às 22:33, Blogger rui

Olá, finalmente apareço, gostaria de dizer que me foi oferecido o livro do FJV e foi com agrado que o li, está bem elaborado mas falta-me a encontrar o autor para o mesmo ser autografado. Vale a pena

 

At 25 de maio de 2007 às 14:37, Blogger VdeAlmeida

Vale mesmo. O autor tem muuitas iniuciativas género tertúlias literárias. Não deve ser dificil encontrá-lo
Abraço, Rui