Ruivas, Louras & Morenas

quarta-feira, 16 de maio de 2007

Parecia que as descaradas me piscavam o olho cada vez que passava por elas. Elegantes nos seus rótulos azuis onde refulgia o distintivo emblema das cervejas trapistas, há uns tempos que me tentavam. Juro que por vezes, sonhei que me assobiavam.
Naquela tarde decidi-me: é hoje que se acabam as provocações. Sabia que aquilo era demasiado só para mim: 75 cl cada garrafa vezes duas, dava litro e meio de cerveja cheia de têmpera, que me ia deixar de rastos, se não pior. Aqui chegado, havia que arranjar alternativa, e para tanto bastou-me um telefonema.
A resposta do outro lado veio rápida:
- É para já?
- Mais duas horas, tenho que arranjar acompanhamento.
Meti as garrafinhas no frigorífico - hora e meia e ganhariam a temperatura ideal - e saí para comprar algo digno da bebida. Cheguei ao destino indeciso, mas à vista de um presunto 5J Sanchez Romero, perdi as dúvidas. Pedi que me cortassem umas fatias à mão (podem acreditar os que nunca experimentaram, que não tem nada a ver com o presunto embalado, nem mesmo com o cortado na máquina, que acaba por “queimar” a carne) e arranjei um queijo da Idanha para acompanhar. Ainda pensei num picante de Castelo Branco, mas ponderei que o sabor seria demasiado intenso, e o mais provável é que ocultasse completamente o sabor da cerveja. Uns pacotes de pão de alho não demasiado condimentados, finalizaram o “pacote”.
A abertura da primeira das duas foi quase um cerimonial, executado com os cuidados que uma obra daquele quilate exige. A rolha saltou, e com ela uma espuma cor de caramelo e densa, a cobrirem um líquido escuro e robusto. Espalhou um aroma de frutos e especiarias, ao qual correspondia um sabor idêntico, que percorria lentamente as paredes da boca. E se deixou ficar, preguiçoso, como se quisesse que nunca mais o esquecêssemos. O que, naturalmente, conseguiu. A segunda, foi aberta ainda com mais cuidados, pois que foi grande o respeito que a primeira impusera. Sim, que aqueles 9º indicados no rótulo, não enganam.
A Chimay Grande Reserve é uma senhora cerveja. E às senhoras, há que tratá-las com respeito.

Ao que parece, sobraram umas fatias de pão de alho…

**********


TrappistLogo
Nota: - A Chimay Grande Reserve "aguenta" bem um envelhecimento na garrafa. Diz-se que ao fim de 5 anos se parece com um bom Porto. Não duvido

Etiquetas:

 
posted by Vic at 5/16/2007 09:00:00 da manhã |


4 Comments:


At 16 de maio de 2007 às 17:32, Blogger mitos

parabens sobre este blog sobre uma das melhores c oisas da vida

bonito e interessante, como tudo devia ser ;-)

esta grand reserve (e eu atirei-me a uma 1,5L q la tinha) é das melhores coisas que alguem alguma vez pôs no mundo. uma experiência memorável

espero q nos vejamos em breve num dos enventos das CdM

abraços

mitos

 

At 16 de maio de 2007 às 21:03, Blogger Edson Costa

Essa senhora foi a minha companhia ao jantar...
Parabéns pelo Blog!

 

At 16 de maio de 2007 às 22:11, Blogger VdeAlmeida

Mitos, é um prazer ter-te por cá.
Pois, se gostamos de uma coisa, porque não falar dela?
Quanto aos eventos do CdM, lá estaremos um dia destes
Abraço

 

At 16 de maio de 2007 às 22:11, Blogger VdeAlmeida

Parabéns pela companhia, Edson!