Ruivas, Louras & Morenas

domingo, 7 de setembro de 2008
Mais um lapso de tempo sem presença aqui, mas desta vez com motivos justificados - particulares e indivulgáveis - mas que deu tempo para algumas reflexões, e uma rápida ida à nossa vizinha Espanha - Vigo, mais precisamente - onde aproveitei para me abastecer no Alcampo e no El Corte Inglês com algumas cervejas que por cá não aparecem, como a Schneider Weiss, a Aventinus e umas poucas mais. E onde também “descobri” um pequeno bar muito agradável, “Le Vieux Paris”, com pessoal atento e simpático, e uma carta de cervejas curta mas com alguns bons exemplares. Optámos por uma Witt, a Brug, e acabámos numa Chimay Bleu. Acompanhadas por uma dose de Manchego e outra de um excelente presunto recebo ibérico. Fim de tarde muito agradável, portanto.
Entretanto, e analisando o post anterior - e respectivas respostas - verifiquei que, tendo mencionado em titulo as Session e as Session Beers, a nada a seu respeito tinha aludido no texto.
Bom, mas a coisa é fácil remediar, embora com algum atraso sobre a proposta do nosso amigo Max. Muito já foi referido pelos nossos companheiros desta comunidade cervejeira, pelo que estar agora a definir o que é uma Session Beer, seria como chover no molhado.
Mesmo o menos familiarizado, deduzirá que a boa Session Beer (a Session pode ser considerada com Confraternização) é aquela cerveja que se pode consumir com alguma “liberdade”, sem o perigo de pôr em causa a sanidade do amador cervejeiro, pelo que uma cerveja tipo Bush Ambrée com os seus 12% de Abv, estaria definitivamente fora do espectro de candidatas.
No entanto, e como referi, não me vou pronunciar sobre elas. Por uma razão muito simples: não sou um Session Man. Quando muito, podê-lo-ei ser em minha casa, onde - disse-o uma vez - tenho à mão as cervejas que gosto, e que bebo na medida que me agrada. Sempre acompanhado, naturalmente, que a partilha é imprescindível. Para ser sincero, além de ser um individualista, não me agradam as Session portuguesas, que são normalmente feitas com muita cerveja de pouca qualidade. Pois é, por cá não importa a qualidade, é preciso é que seja muito. Uma vez disse que nunca me veriam encostado a um balcão de cervejaria a beber da garrafa, ou “imperial” até cair. A vontade mantém-se.
De entre as respostas ao post anterior, o nosso amigo Chela interroga-me com alguma graça sobre a (não) inclusão de cervejas portuguesas na minha “cata”. Infelizmente, não partilho a sua boa vontade em relação às cervejas nacionais, e exceptuando a Sagres Bohemia, que considero uma cerveja bebível, ou as que se bebem na República da Cerveja - que por não serem vendidas engarrafadas não poderão ser consideradas numa proposta deste género - não preenchem os requisitos mínimos nas minhas apreciações.
Do que se trataria aqui, seria converter novos adeptos para a nossa causa, e não afastá-los, que seria o que aconteceria se lhes propusesse uma das nossas inefáveis lagers ou mesmo, tenho a certeza, uma das “extraordinárias” e pretensiosas gourmet há uuns meses lançadas. Em má hora, diria. Já para não falar numa daquelas com sabor a pêssego ou limão, ou qualquer coisa assim (aqui deixo uma nota para os menos avisados: o facto de se acrescentar sabor de fruta a uma cerveja não faz dela uma Lambic. Uma lambic de Framboise ou uma Kriek são outra coisa. São cervejas sérias e não caricaturas)
**********

Para terminar, uma nota que dá bem conta do nível de alguns dos nossos empresários, ou, pelo menos, das pessoas que tratam da exploração dos espaços gourmet, que agora proliferam por Lisboa.
Já referi que a Delidelux se excede um pouco nos preços, nomeadamente no que diz respeito ás cervejas. Paga-se o preço da exclusividade do lugar mais o da cerveja propriamente dita. Mas a total falta de senso chegou agora com a inauguração da Loja Gourmet do Pão de Açúcar das Amoreiras, há uns 2 ou 3 meses atrás. Ao princípio as cervejas não constavam do “cardápio”, mas eis que elas surgem há umas semanas atrás, com muita alegria minha, que logo se desvaneceu ao verificar os preços, absolutamente escandalosos. Assim, qualquer das cervejas de 33cl expostas - ex, Westmalle, Floreffe, Triple Karmeliet e mais umas 2 ou 3 - eram propostas a mais de 5€ - quase 6- a unidade, quando podem ser compradas normalmente a preços a rondar os 2€. Mesmo em supermercados do mesmo grupo. Mas o caso mais espantoso sucedeu com a DeuS. Na altura em que as lá vi pela primeira vez, ostentavam o preço de 20 € e mais uns cêntimos, o mesmo que no Club do Gourmet do ECI - essa sim uma loja gourmet a sério e…séria - e considerei que pelo menos o preço desta, era razoável.
Bom, os homens devem ter ouvido o meu pensamento. Passada uma semana, passo novamente pelo local na esperança de que tivessem reconsiderado nos preços das cervejas e verifico que sim. Reconsideraram no caso da Deus: passaram o preço para 42 Euros!
Será que estes tipos pensam que somos todos uma cambada de parolos?
Será que não há um limite razoável para a margem de lucro que estas lojas praticam?
Ou será que o que já não existe é vergonha?
 
posted by Vic at 9/07/2008 12:18:00 da tarde |


8 Comments:


At 7 de setembro de 2008 às 20:45, Blogger galvao99

A qualidade não é um grande negocio em PT, e isso é que chateia.

 

At 7 de setembro de 2008 às 23:36, Blogger pinar

Oi!
Tem dois anos que eu aprendi PT no Brasil. Nao sei se lembro muito bem.

A verdade e que é dificil encontrar boa cerveja nos países do sul de Europa. A fortuna e que na Espanha sim se pode encontrar cerveja de importação a um preço razonável. 3 o 4 euros a garrafa no bar.

Outros países com a Grécia também temem pouca fortuna. Poucas cervejas a um preço alto podem se encontrar la. Espero que a coisa mude com o tempo, mas agora o melhor e viajar ao norte pra beber boa cerveja.

A te maís.

 

At 9 de setembro de 2008 às 14:03, Blogger Edson Costa

O problema é que o Gourmet acrescenta-lhe logo mais alguns euros ao preço final.
Algumas dessas cervejas podem ser encontradas em outras superfícies comerciais "não-gourmet" a preços bem mais em conta.
Até que ponto é que alguém está disposto a pagar tudo isso por algumas destas cervejas? Não me parece. Pelo menos os consumidores mais atentos não se vão deixar levar. Alguém mais distraído, a quem o dinheiro não lhe faz falta? Talvez...
Dentro de uns tempos acabam por baixar para o preço justo.

Abraço

 

At 17 de setembro de 2008 às 19:31, Blogger alfacinha

No início do ano comprei numa loja perto da camâra municipal de Antuérpia uma garrafa Deus brut da flandres por 16 euros
cumprimentos de Antuérpia
http://blog.seniorennet.be/lisboa

 

At 18 de setembro de 2008 às 16:54, Blogger VdeAlmeida

Meu caro Galvão

Parece-me que a qualidade pode ser um grande negócio. O que não podemos é deixar de denunciar estas...peculariedades dos nossos negociantes.
Abraço

 

At 18 de setembro de 2008 às 16:56, Blogger VdeAlmeida

Oi, Pinar,

O português está muito bem, embora o que se aprende no Brasil seja um tanto diferente, ehehe
E é claro, viajar é preciso e não só pela cerveja. Eu vou-me abastecendo em Espanha daquelas que não encontro por aqui.
Abraço

 

At 18 de setembro de 2008 às 16:57, Blogger VdeAlmeida

Pois é assim mesmo, Edson. Só que, ao que parece, o tempo acabou por encarecer as DeuS e não pô-las mais baratas!
Abraço

 

At 18 de setembro de 2008 às 17:02, Blogger VdeAlmeida

Amigo Alfacinha

Pois é, na Bélgica os preços são do outro mundo. Soube que em alguns supermercados há DeuS a pouco mais de 12 euros.
Abraço