Ruivas, Louras & Morenas

sexta-feira, 25 de maio de 2007
Pode-se dizer que há cervejeiras cujo único fito é vender em grande escala, mesmo que tal se baseie em grandes campanhas promocionais, desproporcionadas em relação à qualidade do que vendem, e aquelas que têm como preocupação principal a excelência dos produtos que vendem.
Entre estas últimas, a Dubuisson tem lugar cativo.
Com efeito, percorre-se toda a sua gama, e não se detecta uma falha notória.
Estabeleci primeiro conhecimento com esta cervejeira através do, talvez, seu produto mais emblemático, a Bush Ambrée, cujo nome lhe confere uma conotação bélica, é certo, mas que não me impediu de travar conversações com aquela garrafinha de 25cl, numa versão ibérica e à qual a cervejeira substituiu o nome por Scaldis. E nem de propósito: aqueles 25cl, se não escaldam, aquecem e bem. A cerveja apresenta uma gola de espuma farta e medianamente insistente e a cor do líquido é um deslumbrante vestido ruivo e ligeiramente turvo. De imediato, se soltam pelo ar notas de frutas tropicais e especiarias e na boca, é espessa e equilibradamente amarga, com laivos de fruta madura. Apesar dos seus 12º de TA se fazerem notar bem na boca, trata-se de uma cerveja à parte pelo seu equilíbrio. No último gole, aconselho um recosto meditativo no sofá, gozando as últimas notas que aquele líquido nos deixa espalhado pelo ar e pelo corpo.


**********

A bem sucedida aventura com a Scaldis, levou-me a procurar as suas “irmãs”, com as quais travei conhecimento já com os seus nomes originais. A Bush 10,5º, que me surgiu numa garrafa idêntica à da Ambrée, é a loura da família, mas não se lhe deverá aplicar o epíteto de “loura burra”, e apesar da fama da irmã mais famosa, não se envergonha, mostra, também ela atributos próprios, um belo corpo cor de ameixa madura, muito cristalino, e que me lembrou o de alguns bons vinhos brancos. Os aromas a cereais e a fruta, fazem-se notar com alguma intensidade, e o TA não engana ninguém.


**********

Guardei para o fim (ainda existe uma Bush Prestige de 0,75l, mas essa…fica para uma ocasião especialíssima, e uma de Natal para essa altura do ano) aquela quue será, talvez, a mais apelativa visualmente, a Cuvée des Trolls, que acompanhei com um Travesseiro de presunto*. Exteriormente, tudo é extremamente atraente, da garrafinha negra ao rótulo também negro onde se destaca o texto em amarelo o divertido Troll, passando pela tampa igualmente negra onde sobressai o nome da cerveja e o boneco, ambos em dourado. Depois, foi servida num copo original, branco translúcido e igualmente muito apelativo.
Depois, a cerveja. E essa, não desiludiu, com a sua cor amarela alaranjada e a espuma alta e que não se esvai logo. Dela se evola um aromático misto de frutas e especiarias, suave, a condizer com um sabor a caramelo e malte muito persistente.
Esta cervejinha filtrada, como se designa no contra-rótulo, recorda-me de alguma forma a Duvel, o que será sempre um elogio. Dizem os cervejeiros que foram ajudados na elaboração, pelos Trolls, estória à qual, depois de a saborear, fiquei completamente receptivo. Estamos pois perante mais um mito urbano (ou nem tanto)


**********

*Receita do travesseiro de presunto
- 3 ovos
- sal, pimenta e cebolinho
- 50 gramas de presunto
Separam-se as claras das gemas, e batem-se em castelo. Juntam-se as gemas, batendo-se novamente para tornar a mistura homogénea. Aquecer na sertã uma colher azeite em lume vivo. Quando estiver quente, deita-se o azeite fora, e espalha-se a mistura pelo fundo da sertã, em lume médio. Temperar então com o sal e a pimenta, espalhando-lhe uma colher bem cheia de cebolinho e o presunto cortado em pequenos pedaços por cima. Enrola-se como as omoletes - esta operação, para os menos dados a estas coisas de cozinha pode-se tornar complicada, face à espessura que a mistura adquire com as claras em castelo, mas com paciência, consegue-se (uma espátula ajuda) - retirando-se logo a seguir, para não cozinhar demasiado e guardar a sua leveza.


**********

Etiquetas: ,

 
posted by Vic at 5/25/2007 02:10:00 da tarde |


4 Comments:


At 25 de maio de 2007 às 22:34, Blogger Ega

De facto, a Scaldis é um objecto sagrado para qualquer amante da boa cerveja. Uma das minhas preferidas, sem sombra de dúvidas.

Nunca provei a La Cuveé des trolls. Mas, como já não duvido também do conteúdo das suas apreciações, com certeza que será uma boa cerveja.

Mas para além da sua qualidade esta cerveja tem um site fantástico. É dos mais apelativos que já vi, não só no âmbito de cervejas. Vale a pena ir lá dar uma vista de olhos, é muito divertido:
http://www.cuveedestrolls.
com/index.php

De resto, só desejo a continuação do excelente trabalho aqui no blogue!

Cumprimentos

 

At 26 de maio de 2007 às 23:28, Blogger VdeAlmeida

Ega,
Também conheço o site. Realmente vale a pena porque é muito original e mesmo divertido.
E o pessoal da Dubuuisson é uma simpatia
Grato pelos votos
Abraço

 

At 27 de maio de 2007 às 05:15, Blogger André Santiago de Araujo

Ola,

otimo blog, pena que no Brasil não temos uma varierdade tão grande de cervejas como vocÊs ai pela Europa.

Na verdade ate encontramos algumas mas com os preços mais do que injustos.

Vou adcionar o link la no meu blog e espero poder trocar mais informações com você sobre esse assunto.

André Santiago
http://cervejaternativa.blogspot.com

 

At 27 de maio de 2007 às 16:49, Blogger VdeAlmeida

Ah! Mas tem muito mais cervejeira, André.
E nem sabe como é difícil arranjar boa cerveja belga por aqui...
Também espero uum intercâmbio proveitoso :-)