Ruivas, Louras & Morenas

domingo, 5 de agosto de 2007
Nos últimos tempos, talvez devido ao calor que se tem feito sentir e ao consequente incremento na indolência, tenho-me dedicado ao prazer de saborear cervejas mais leves, daquelas que, se o consumo for menos moderado, o corpo não sinta muito o efeito.
Bom, sejamos francos: não sou um bebedor de exageros. É raríssimo consumir mais que duas cervejas num dia, e, ainda mais raro, que elas sejam bebidas uma a seguir à outra. Aliás, tenho para mim, que a perca de moderação retira muito do prazer que a sagrada bebida nos pode dar.
Mas voltando ao assunto: apesar de, de quando em quando não resistir ao apelo das que me são mais caras, tenho dado preferência às dunkel. As dunkel são, como escreve Roger Protz no seu livro 300 Beers to try before you die: Dunkel - “escuro” em alemão, indicando uma lager cuja cor derivou graças à acção de maltes bem torrados”.
É verdade que não aprecio muito as lagers comuns. Mas estas, provavelmente devido ao sabor que lhes é conferido pelos tais maltes torrados, que se aproxima muito de um achocolatado suavemente amargo, é-me especialmente agradável.
A cor destas cervejas é variável, podendo ir do acobreado ao castanho muito escuro, quase negro, que por vezes à primeira vista, aos menos conhecedores, pode parecer estarem em presença de uma stout.
Como são das mais comuns por cá, tenho-me ficado pela Franziskaner Hefe Weisbier Dunkel e a Erdinger Weisbier Dunkel, que, aliás, são duas excelentes cervejas, ambas vendidas em garrafas de 0,5 l (nem de propósito, as fotos de ambos comprovam a tal variedade de tonalidades), e entre ambas, embora menos favorecida pela crítica em geral, a minha preferência vai para a Erdinger, uma cerveja que, além da qualidade da cerveja, se exibe numa garrafa negra, de rótulos de muito bom gosto, o que, parecendo que não, também tem a sua importância.
De teor alcoólico relativamente baixo, o que se convém a esta época do ano, são ambas um bom exemplo de como os grandes distribuidores podem manter uma qualidade elevada, mesmo em produtos de “linha”, e, portanto excelentes companhias para estes fim de tarde preguiçosos.
Ambas para se saborear lentamente, mas…sem nunca lhes deixar perder a frescura.


Erdinger Weisbier Dunkel:**********


Franziskaner Hefe Dunkel**********



Etiquetas: ,

 
posted by Vic at 8/05/2007 02:15:00 da tarde |


5 Comments:


At 8 de agosto de 2007 às 00:04, Blogger galvao99

Passei agora no supermercado e estive na dúvida sobre que cerveja trazer para beber uma noite destas depois de um dia estafante de trabalho, quiçá aproveitando a brisa quente de verao (quando houver).

No lote de escolha estavam duas leffe(s) (uma Brune e a outra de rotulo Bordeaux, ja nao me recordo o tipo), as erdinger(s) e as Franziskaner(es), e ainda uma outra cerveja (Belga) cujo nome me falha agora que tem uma garrafa achatada muito caracteristica.

Acabei por optar pela Leffe Brune. Vamos ver o que sai dali.

Abraço e continuaçao dos excelentes posts.

 

At 8 de agosto de 2007 às 12:37, Blogger VdeAlmeida

Com rótulo bordeau devia ser a Vieille Cuvée, que é bastante boa, galvao99. Mas a Brune também é excelente.
Agora fiquei curioso foi quanto à garaffa achatada...
Abraço e obrigado :-)

 

At 8 de agosto de 2007 às 21:22, Blogger galvao99

Era duvel, se nao estou em erro. Na proxima oportunidade trago a de rotulo Bordeaux!

 

At 12 de agosto de 2007 às 17:19, Blogger VdeAlmeida

Boa opção, galvao99 :-)

 

At 24 de agosto de 2007 às 20:30, Blogger rodrigo

Concordo com você. Acho a Erdinger Dunkel muito mais saborosa que a Franziskaner.
Parabens pelo blog.
abraço