Ruivas, Louras & Morenas

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008
No que respeita á cerveja, um dos sítios mais interessantes a visitar em Amsterdam, é sem dúvida, a Brouwerij’t IJ (acho que se pronuncia T’eye, mas a língua holandesa é mesmo estranha). Trata-se de uma das micro-cervejeiras sobreviventes na cidade, e por curiosidade, acolhe-se à sombra de um majestoso moinho, o De Gooyer Windmill, também ele um dos últimos resistentes na cidade, e o mais central de todos, apesar de se situar um pouco desviado da habitual rota turística (mais precisamente, num local denominado Funenkade). Talvez por isso, a sua clientela é moderada em número, e esta será uma das causas para a, para nós estranha opção dos donos para o seu horário de abertura ao público, circunscrito entre as 15 e as 20 horas. A verdade, é que a denominação do sítio é Proeflokaal e não bar, o que talvez já elucide alguma coisa. Isto é, aquilo é mesmo uma micro-cervejeira, onde, durante um certo periodo do dia, se podem provar os produtos originais.
A ‘t IJ, que como emblema uma avestruz, animal estranho em tão nórdico país, fabrica um naipe notável de boas cervejas, umas de fabrico permanente e outras sazonais. Das primeiras, as únicas que tive o prazer de conhecer, destaco sobretudo a sua trippel, a Zatte e uma strong ale, se assim se pode chamar, a Columbus, qualquer delas, cervejas de grande carácter.


A solicitude das hospedeiras, com uma explicação detalhada dos seus produtos, e um convite para uma visita à cervejeira propriamente dita, que se situa atrás do balcão, foi bem demonstrativa da simpatia daquelas gentes, muito ao arrepio do preconceito do pouco calorosos que os povos nórdicos podem ser.
Mas deixando a ‘t IJ, tenho um par notas de viagem que podem ter algum interesse. A primeira é a de que, apesar da grande oferta que se encontra em qualquer bar - deixemos de fora a t’IJ uma vez que se trata de um local exclusivo - as cervejas à pressão têm natural ascendente sobre as de garrafa, e as que mais vi serem servidas, foram as Kwak - será que dá um prazer especial beber por aquele copo tão bizarro? - e as La Chouffe, o que dá bem ideia das preferências dos holandeses, isto apesar da quase omnipresença das gigantes Heineken e Amstel.
A segunda nota para a pouca oferta de acompanhamentos de degustação das cervejas, o que, a alguém ponderado, dá pouca hipótese de se alongar em “provas”, sob pena de facilmente se perder no caminho das pedras para o hotel.

Etiquetas:

 
posted by Vic at 2/22/2008 09:10:00 da manhã |


3 Comments:


At 22 de fevereiro de 2008 às 02:19, Blogger galvao99

Com tanta solicitude das hospedeiras quem precisa de acompanhamentos de degustação?

eheheh

 

At 22 de fevereiro de 2008 às 15:29, Blogger VdeAlmeida

E por acaso, até eram bem bonitas, galvao99 :-).
Mas as considerações foram meramente profissionais, como se pretendia, evidentemente
Abraço

 

At 24 de julho de 2014 às 19:19, Blogger Eric Giazzon

Essa cervejaria é sensacional!!