Ruivas, Louras & Morenas

sábado, 3 de julho de 2010
A idade traz consigo coisas chatas: vamos perdendo qualidades físicas, mentais também, vamo-la encarando em momentos mais melancólicos como uma fatalidade. Por outro lado, vai-nos ensinando outras, uma delas, a não acreditar em tudo o que nos dizem. Ou insinuam. Pode-se dizer que a idade nos torna desconfiados e na maior parte dos casos, menos permeáveis à publicidade, menos acessíveis às grandes campanhas (é curioso como me apercebo que a vertente em que mais falhamos é talvez a mais importante, e que diz respeito à coisa política)
Como uma vez referi, até há uns anos atrás, entre nós, a cerveja dos EUA era uma miragem porque a imagem que por cá passava era a da malfadada Bud, uma lager sem graça, uma espécie de água com um leve travo a cerveja e que nem para refrescar serve. Ora como não havia outra para comparar, julgaríamos nós que, por lá, a industria cervejeira era incipiente e até desprezível.
Hoje a oferta subiu (tento crer que tenham produzido algum efeito os lamentos da nossa pequena comunidade cervejeira) e apercebemo-nos que aquela visão estava deturpada e nada condizente com a realidade.
Good Beer, No Shit” é a frase lapidar que consta no rótulo de algumas das cervejas da Flying Dog. E podiam os cervejeiros da Flying Dog pô-lo em todas (preferiram: Good People Drink Good Beer, o que também é simpático), porque é a verdade nua e crua, não se trata de um vão auto elogio. E asseguro que no caso em apreço, é uma crença que advém da experiência
Desta “imperial porter” pode-se dizer que cumpre com todos os requisitos que se exigem a uma porter tradicional: tem uma espuma cor de chocolate e “imperial”, um corpo maciço escuro e com reflexos quase sanguíneos à contra luz, pouca carbonatação inversamente proporcional ao aroma e sabor intensos a chocolates e maltes tostados. Dos 7,8º de Abv marcados no rótulo nem vestígios, quer ao nariz, quer às papilas gustativas, o que demonstra bem do equilíbrio desta moreníssima da Flying Dog.
Sem remorsos, desta, bebem-se duas seguidas: uma a acompanhar uma boa carne assada, outra como sobremesa
Gonzo Imperial Porter - **********

Cervejeira: Flying Dog Brewery
Vol/Alc: 7,8% Abv
Ano: 2010
Tipo: Imperial Porter

Copo: Goblet

Etiquetas: ,

 
posted by Vic at 7/03/2010 09:27:00 da tarde |


2 Comments:


At 6 de julho de 2010 às 22:53, Blogger barbas

Cada vez que digo a amigos "não-iniciados" nestas lides cervejeiras, que os Estados Unidos são actualmente o país mais interessante em termos de cerveja, vejo olhares incrédulos e insinuações várias à minha sanidade mental. Ou seja, a nossa percepção da cerveja do Tio Sam anda de mãos dadas com a definição dos Monty Python: "It's fucking close to water".

Felizmente que hoje em dia conseguimos ter na Europa alguns bons exemplos daquilo que de bom se faz no outro lado do Atlântico. A Flying Dog é sem dúvida um nome a reter, não só por esta Gonzo, mas pela consistência na qualidade em todo o seu portfólio.

 

At 11 de julho de 2010 às 20:36, Blogger VdeAlmeida (YardBird)

É mesmo verdade, embora me pareça que a Bélgica, no que diz respeito a qualidade, mantém a liderança. Mesmo no campo das Stout, que não são uma das especialidades deles, já fazem algumas muito boas.
Agora, estando de acordo contigo, não posso deixar de acrescentar que o mercado norte-americano pode ser muito interessante (e excelente), mas duvido que alguma vez consigam chegar a fazer uma Westvleteren :)

Abraço e obrigado pela participação

Vic